sexta-feira, junho 18, 2021
Home > Notícias > Governo reedita Programa de Manutenção de Emprego e Renda

Governo reedita Programa de Manutenção de Emprego e Renda

Governo reedita Programa de Manutenção de Emprego e Renda

Programa Emergencial de Preservação do Emprego e Renda está de volta no Brasil. Com o objetivo de amenizar as dificuldades enfrentadas por empregadores e trabalhadores durante a pandemia no país, o governo reeditou a medida instituída anteriormente por meio da MP 936, convertida na Lei 14.020/2021.

A nova Medida Provisória (MP) 1.045 que institui o novo Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm) foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), na terça-feira (28/4). No ano passado, o BEm preservou cerca de 10 milhões de empregos.

O novo BEm será pago nas hipóteses de suspensão ou redução da jornada de trabalho, independentemente do cumprimento de período aquisitivo, do tempo de vínculo empregatício ou do número de salários recebidos. O valor de referência para pagamento é a parcela do Seguro Desemprego a que o empregado teria direito. A adesão continua sendo por acordo e abrange todos os empregadores, com exceção de órgãos públicos, empresas estatais e organismos internacionais.

Por até 120 dias, o acordo poderá reduzir proporcionalmente a jornada de trabalho e o salário de seus empregados, cabendo ao governo fazer complementação do salário do trabalhador na forma da lei. Para ter acesso ao Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, alguns requisitos devem ser observados, como a preservação do salário-hora de trabalho, a pactuação de acordo individual escrito entre empregador e empregado e a redução da jornada de trabalho e salário nos percentuais de 25%, 50% ou 70%. A concessão do benefício não irá interferir nos valores a serem recebidos de Seguro Desemprego.

Também está prevista a possibilidade de suspensão temporária do contrato de trabalho pelo prazo máximo de 120 dias. A suspensão deverá ser formalizada por meio de acordo escrito, de forma que, durante o período de suspensão contratual, o empregado faça jus a todos os benefícios que vierem a ser concedidos pelo empregador.

O prazo do programa, que em 2020 foi vinculado ao estado de calamidade, em 2021 é de 120 dias, assim como o prazo para realizar acordos, prorrogáveis pelo presidente da República, havendo disponibilidade orçamentária. Além disso, eventuais pagamentos indevidos, não restituídos, em vez de serem apenas inscritos em dívida ativa, como na norma anterior, poderão também ser compensados com requerimentos futuros de Seguro Desemprego ou Abono Salarial, tal como ocorre com o pagamento indevido de Seguro Desemprego, que pode ser compensado com requerimentos futuros.

Crédito extraordinário

Para garantir recursos para o novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, o presidente também editou a Medida Provisória 1.044 que abre crédito extraordinário, no valor de R$ 9,98 bilhões, em favor do Ministério da Economia. A abertura desse crédito extraordinário não terá impacto na meta de resultado primário, nem no teto de gastos.

Fonte: Ministério da Economia

migre para a supersoft